Electrodomésticos – 10 dicas para poupar energia

Domingo, 22 de Abril, 2012
   

No último artigo do Dicas Poupar, falamos sobre a importância da poupança de energia através dos electrodomésticos. Referimos uma série de funcionalidades dos electrodomésticos, as suas vantagens, desvantagens e consequências do seu uso excessivo, tanto económicas, como ambientais.
Para dar seguimento ao tema dos electrodomésticos, decidimos apresentar a lista que se segue, com 10 dicas concretas e fáceis de aplicar no quotidiano, de forma a poder poupar uma quantia significativa de eletricidade, no final de cada mês.

1. Desligar TOTALMENTE os electrodomésticos se não estiverem a ser utilizados.

Esta é uma dica elementar, porém que muitas vezes não é posta em prática. Após o momento em que deixa de usar uma televisão, um fogão, um ar-condicionado, por exemplo, deverá desliga-los na íntegra. Não adie essa tarefa e lembre-se que electrodomésticos em stand-by continuam a gastar energia.

2. Utilizar os electrodomésticos na capacidade máxima.

As máquinas de lavar a roupa e loiça, nomeadamente, devem ser apenas ligadas se estiverem lotadas. Desta forma, será necessário efetuar menos lavagens, poupando energia.

3. Comprar electrodomésticos de classe A.

Os electrodomésticos são classificados, quando à sua eficiência energética, de A a D. Os de classe A, apesar de por vezes poderem custar mais algum dinheiro aquando da sua compra, o seu investimento será compensado a longo prazo, uma vez que consomem menos energia face aos concorrentes, ajudando-os a poupar energia e, consequentemente, dinheiro.

4. Partilhar aparelhos elétricos sempre que possível.

No caso dos televisores e dos aquecedores, por exemplo, a sua utilização pode ser partilhada com outra pessoa, em simultâneo. Ao invés de ambas usufruírem individualmente dos referidos electrodomésticos, reúnam-se no mesmo espaço e utilizem-nos em conjunto, sempre que possível. Desta forma, será necessário apenas um televisor/aquecedor, em vez de dois.

5. Evitar aquecedores, principalmente os elétricos.

A produção de calor através de energia elétrica, é um processo altamente dispendioso. Sobretudo no inverno, estes protagonizam os lares de muitas pessoas que pretendem manter a sua casa quente. Procure conservar a temperatura de sua casa, em vez de gastar energia para produzir mais, isolando frechas e espaços de janelas e portas, que são grandes responsáveis pela fuga de calor. Como alternativa aos aquecedores elétricos, recomendam-se os aquecedores a gás e, principalmente, as lareiras que são a alternativa mais barata. O exercício físico é uma forma natural de se manter aquecido e, sempre que puder, recorra a este método natural e gratuito.

6. Optar pelo trabalho manual sempre que possível.

Apesar do comodismo oferecido pelos electrodomésticos em tarefas de limpeza como, por exemplo, em aspirar, é possível poupar energia elétrica se os substituirmos novamente pelos métodos tradicionais. Visto que o objetivo é ganhar dinheiro poupando, certamente que valerá a pena prescindir de vez em quando do conforto oferecido pelos electrodomésticos.

7. Substituir os fogões e fornos pelos microondas.

Na confeção de refeições, os microondas são a melhor solução para poupar energia, relativamente aos fornos e fogões convencionais, devido ao método por este utilizado. Para além de menos dispendiosos, os microondas são fáceis de usar e igualmente eficazes e seguros, pelo que aconselhamos vivamente a sua preferência, sempre que possível.

8. Em ausências prolongadas manter apenas o frigorífico ligado.

Por apenas os frigoríficos permanecem ligados 24 horas por dia, até quando se está fora de casa. Sempre que se ausentar de sua casa, como em viagens ou nas férias, desligue o máximo de electrodomésticos possíveis à corrente e, se possível, no quadro elétrico. Desta forma, não só está a evitar gastos energéticos desnecessários provocados pelo esquecimento, mas também está a garantir que nenhum acidente acontece com os seus electrodomésticos, garantindo segurança face a complicações mais graves.

9. Não deixar os aparelhos eléctricos sobreaquecerem, desligando-os se necessário.

O sobreaquecimento dos electrodomésticos podem pressagiar o seu bom funcionamento e possíveis avarias. Para além disso, o aquecimento excessivo é um indicador de que o electrodoméstico está a ser usado acima das suas capacidades, afetando o seu rendimento e a sua eficiência energética, pelo que é aconselhável que sejam desligados até que a temperatura esteja regularizada. Em caso dos sobreaquecimentos com demasiada frequência ou rapidez (sem contar com os dias excessivamente quentes de verão), procure junto de alguém especializado, as causas responsáveis.

10. Verificar se os electrodomésticos não estão estragados ou a consumir demais.

Este tópico enquadra-se no seguimento do anterior. O sobreaquecimento frequente, a produção de odores estranhos ou o mau funcionamento, são alguns exemplos sintomáticos de problemas na saúde dos seus electrodomésticos. Estes problemas podem representar um gasto excessivo de energia inesperado, mas também um perigo para a segurança do seu lar. Procure estar atento face a possíveis indicadores de problemas nos seus electrodomésticos, sobretudo aqueles com mais anos de uso.